06
Nov 08

 

 é um dia muito especial.

 

 

E eu que sou eu, uma pessoa tão capaz e assim, acertei 10. Vejam bem.

 

Via Raia

publicado por ag às 19:22
tags:

25
Out 08

... como um belo dia de sol!

publicado por ag às 13:18
:
tags:

15
Set 08

 

E assim também, já que estou a falar disso.

 

publicado por ag às 18:16
tags:

21
Ago 08

Não sei muito bem porquê, não ia a um parque aquático há quase uma década. E já que é para marcar um regresso, há que fazê-lo em grande estilo: no melhor parque aquático deste nosso Portugal: o Slide & Splash. Note-se, logo à partida, a precisão deste nome: slide e splash. Para não deixar dúvidas. Slide. Splash. Slide. Splash. Porque, afinal, é disso que se trata.

 

Escorregámos incessantemente das 10 da manhã às 6 da tarde e isto significa ter escorregado 17 vezes (sim, há aqui alguma paranóia neste relato mas que não me acompanha no meu dia-a-dia pelo que penso que não será motivo de alarme). Pouco mais de duas vezes por hora, se descontarmos o almoço. E isto porquê?

 

Filas.

 

Tudo se resume a filas que resultam de se juntar Agosto e Algarve. E estou-me a queixar? Longe de mim tal coisa. Foi maravilhoso. 17 belas descidas que valeram cada minuto de espera. Depois de uma escorregadela em cada um dos escorregas (tirando os de crianças, que nós somos pessoas adultas) escolhemos os nossos eleitos e repetimos tantas vezes quanto possível. Aqui fica o meu tão aguardado Top 3, para referência futura.

 

#1 BLACK HOLE

 

É basicamente um buraco negro por onde a pessoa se manda numa bóia para duas pessoas (caso contrário não me apanhavam lá).  E aquilo era toda uma envolvência. Saem gritos lancinantes de dentro do escorrega e a entrada, com quedas de água barulhentas e com dois túneis para a escuridão, impressiona. Não raras vezes vi pessoas ficarem por ali, que afinal não lhes estava a apetecer. 

 

Na primeira vez saí com as pernas a tremer - sim, que eu também tenho sentimentos -e pensei que não conseguisse sair da piscina sem os minutos de recobro. Valeu-me uma réstia de dignidade imposta por todos aqueles olhares. E lá saí.  

 

É o grande hit. Repetimos as vezes que conseguimos.

 

#2 BANZAI (ou mais elucidativamente, na lingua francesa, CONCORDE)

 

Aqui a pessoa deita-se em cima de um colchão, para escorregar mais depressa, e atira-se por um escorrega a direito e, claro, a descer, até atingir a água one vai a deslizar alguns metros, como quem faz body board.

 

É um belo stress a pessoa colocar-se em cima da prancha, porque aquela água toda puxa e a pessoa corre o risco de ir por ali abaixo antes de devidamente acomodada. Aconteceu, não comigo, que eu sou uma pessoa que sabe fazer as coisas. Mas vi acontecer.

 

Mas os dois/três segundos de descida compensam tudo.

 

#3 Pistas Brandas

 

Estas são aquelas que existem várias seguidas e que a pessoa vai por ali abaixo como quiser. Inlcusivamente a rebolar, como aconteceu a um senhor cujos calções não escorregavam bem.

 

E é isto. Belo dia de Verão.

publicado por ag às 00:59
tags:

20
Jul 08

Não tenho memória da última vez que estive sete horas em pé. Talvez já tenha acontecido, não o nego, porque a sensação de que a base das costas se estilhaçava a cada espirro que dava (no regresso a casa), não me era, em absoluto, desconhecida.

 

Apontamentos:

 

1. Bebi água do Vimeiro (da sem bolhinhas, atenção) e é uma experiência que não pretendo repetir nos próximos anos, salvo em situações de excepção como, por exemplo, toda a água do mundo acabar e ficarmos reduzidos a água Vimeiro para sobreviver. Ou, depois de ter passado 15 horas perdida no deserto, ser encontrada por uma equipa especializada em salvamentos cujo único stock de água potável são garrafinhas de água do Vimeiro. Aí bebo, sobretudo porque era uma indelicadeza da minha parte.

 

2. Um agardecimento especial para o Montepio que tão generosamente nos ofertou um holofote portátil, um para cada pessoa que aquilo é gente que só está bem é a dar aos outros, o que me possibilitou um trabalho de luzes que em muito engrandeceu o evento.

 

3. A Adriana não me pareceu com muita vontade mas eu também era capaz de me cansar se repetisse milimetricamente as mesmas deixas nos meus concertos (se bem que neste nem deixas houve, o que também deve ser igualmente chato, que é só aquilo de estar ali a cantar e mais nada). Aquele ar entediado não é muito estimulante à uma da manhã e todo aquele frete acaba por ser constrangedor. Talvez fosse um mau dia. Vamos todos acreditar que sim.

 

 

Reportagem fotográfica a cargo de Hipervitaminose, que eu não sou pessoa para ficar com os créditos de ninguém.

 

publicado por ag às 15:31
tags: ,

19
Abr 08

Agora que ando a fingir perante o mundo que ando (a repetição do verbo andar é propositada e não encerra em si mesma nenhuma desconsideração pelo prezado leitor) a aprender a jogar ténis achei que era boa altura para ver jogar ténis com olhos de ver. Em vez de me prender na roupa que trazem ou nos barulhos que emitem, ver, de facto, o que é que estão para ali a fazer.

 

E qual é a grande vantagem que descobri neste desporto que alguns reduzem a uma peça de calçado? É que consigo ver por ver. Pelo bom jogo, independentemente dos intervenientes (ou da sua nacionalidade). E porque é que tudo isto vem à baila? Porque no futebol isto não se passa. Se não for o Benfica (que sei que jogou na quarta mas não sei como ficou o resultado porque não tive oportunidade de ver derivado de me encontrar no estrangeiro) ou a selecção, não me dá assim para ver. Acho um bocado seca. Mesmo que seja um Manchester - Milan. Tenho de ter para onde torcer (a minha mãe resolve isto facilmente porque, apesar de ver todo e qualquer jogo de futebol, arranja sempre por quem torcer, podendo, assim, ver bons jogos de futebol). No que respeita ao ténis, para já, vejo tudo o que passar na televisão. Com o contentamentoque só nós, os principiantes, conseguimos ter.

 

Nota: Não me venham fazer conversa sobre ténis que eu não tenho absolutamente nada inteligente a dizer. O meu estádio de desenvolvimento ainda me permite interromper várias vezes o visionamento com perguntas face às regras de pontuação que, além de enfadonhas, são repetidas.

publicado por ag às 23:10
tags:

06
Abr 08

Não fosse ter alguém a esclarecer-me e nem tinha visto o filme*. Mas vi. E é girinho, vá. Assim se me pedissem para destacar um diálogo, era este:

 

Emily Thomas: What do you have, an art gallery over here? What is this "2"?
[looking number two tattooed on Jake's shoulder]
Jake Fischer: It's so the guy behind me knows what place he's coming in.

 

Mas como não pediram, acho que vou ficar por aqui.

 

 

*- O que é que está a dar?

- O Guardião

- Chii, isso é bué antigo...

- Não, até é recente.

- Não é nada. Então não é aquele com o Kevin Costner?

- É. Mas não é o que tu pensas. Este é O Guardião.

- Pois. Eu sei qual é. Até entra também aquela...

- Não. É o Guardião.

- Espera, entra aquela que canta. Como é que ela se chama?

- Este filme chama-se O Guardião, não se chama O Guarda-Costas.

- Hum... É parecido.

- ...

- Olha, falam do Katrina. Afinal é recente.

- Pois. É O Guardião.

publicado por ag às 13:16

17
Mar 08

- Boa tarde. Olhe, reparei que a minha mensalidade no ginásio não desceu. Achei estranho.

- Pois. É a política do ginásio.

- Não estou a perceber.

- Espere só um bocadinho que eu vou passar a alguém que lhe consegue explicar.

 

...

 

- Boa tarde.

- Gostava de saber porque é que o IVA desceu de 21 para 5% e a minha mensalidade está na mesma.

- Mas não é isso que importa. Se nos pedir a factura verá que o IVA já não é 21% mas sim 5%. Tudo conforme.

- Então a minha mensalidade está maior, líquida de imposto.

- Sim.

- Então o IVA desceu mas o benefício ficou para o ginásio.

- Sim.

- E é só isso que tem para me dizer?

- Pois, está tudo de acordo com a lei. E além disso nós não aumentávamos os preços há dois anos e houve inflação e isso.

 

...

publicado por ag às 21:30
tags:

15
Mar 08

 

 

 

 

(e não é que está quase?!)

publicado por ag às 18:01
tags:

04
Mar 08

Se decidimos falhar e conseguimos fazê-lo, falhámos ou conseguimos?

 

no Brainiac, domingo à tarde.

publicado por ag às 19:42
tags:

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds