14
Jun 08

Vi uma mão cheia de concertos do Rock in Rio. Pela televisão, que me parece ser a forma mais indicada. 100 mil pessoas, ou 80 mil, ou 70 mil, ou por aí fora, são ajuntamentos demasiado grandes para alguém que aprecia a paz e o sossego. E vi o quê? Ivete Sangalo, Amy Winehouse e um nadinha do Lenny Krevitz. Depois vi Alanis (não escrevo o apelido porque nunca sei quais as consoantes que duplicam e agora não tenho muito vontade de ir verificar) e acho que uma música do Sanz. E no último dia, Linkin Park, com alguém ao meu lado que repetia no início de cada música qualquer coisa como esta é a melhor banda do mundo. Muito cuidado a contrariar estas pessoas.

 

Ivete não é propriamente in de se gostar, já sei. Mas eu gosto de ouvir aquilo em concerto e sei mais refrões do que pensei saber assim à partida. É boa onda, para usar uma linguagem coloquial.

 

Amy é a minha última actualização automobilística - ouço aquilo a toda a hora e acho mesmo bom. Do concerto não falarei porque nada há a dizer.

 

Alanis. Ora bem, esta eu vi há dez anos no Atlântico e as músicas eram basicamente as mesmas mais um ou outro hit dos anos subsequentes. Nada de crítico se encerra nesta minha afirmação. Não tenho acompanhado e assim deu para acompanhar do concerto. E gordinha que ela está. Os trinta não perdoam ninguém.

 

Linkin Park foi um belo de um concerto. Não pensei gostar, assim de repente, mas gostei bastante. Foi o melhor concerto que vi pela Bela Vista. Aquilo resulta muito bem ao vivo e aquelas pessoas do palco parecem gostar de ali estar, parecem mesmo divertidos ali em cima.

 

E pronto. O meu muito obrigada à SicRadical. Indago-me em que canal estes concertos passariam se não houvesse Sic Radical. Ainda bem que a SicRadical está entre nós. Um bem-haja para a SicRadical.

 

publicado por ag às 00:08
tags:

pesquisar neste blog